Fotografia e Gastronomia

O curador françês

Numa noite chuvosa em Porto Alegre, participei de uma mesa redonda com fotógrafos gaúchos, mediada por um curador francês. Mal eu chego no auditório descubro se tratar de François Barré, entre outras coisa ex diretor do Centro Georges Pompidou em Paris e diretor geral do Encontro de fotografia de Arles, na França, referência para todos os fotógrafos artistas do mundo.

pes-de-galinha                              

Na ocasião mostrei algumas fotos da minha série Alma Descarnada, que estava desenvolvendo para uma exposição em Porto Alegre. François Barré, para minha surpresa, parece que ficou impressionado com o meu trabalho. Quase não acreditei quando após o debate ele veio em minha direção com um cartão de visitas na mão pedir se eu podia lhe enviar uma ampliação para aquele endereço. Em troca veio uma belíssima apresentação para a minha exposição.

Poucos meses atrás tive a oportunidade de mostrar parte da Exposição Alma Descarnada em São Paulo. Na ocasião a galeria distribui para a imprensa um press release onde constava anexo esta apresentação feita por Barré. Como foi bom reencontrar com ela! É um texto curto, preciso e direto. Vale a leitura.

O Chef da Fotografia

Encontrei com o fotógrafo Mauro Holanda em Porto Alegre, Brasil, há alguns meses e descobri a qualidade e a força de um criador que concretiza uma obra envolvente. Esses corpos suspensos do tempo numa eternidade curta de decomposição e de estupor, perdidos em meio ao nada, ainda coesos em sua integralidade de superficie, de pele, ou já desmembrados ; a esses corpos desviados e escondidos do seu tempo da liberdade de vôo e do frescor do ar da manhã, Mauro Holanda concede-lhes uma nova realidade e os sacraliza pela magia da Arte.

Habituado às imagens de imprensa que acompanham as receitas e os segredos da gastronomia, o fotógrafo as entreviu de maneira diversa entre as inumeráveis fotografias produzidas, cenarizadas, montadas, daqueles que foram destituídos de penas e de peles para a comodidade da atividade em cozinha, pela preparação dos pedaços e dos cozidos.  Nesse canteiro de carnes e de plumas pelo qual todos passam sem sequer olhar, como se fosse o espaço rotineiro das agitações do trabalho, ele captou subitamente a expressão trágica da vida reanimada dentro da objetividade da morte, um aspecto novo de uma memória dissipada da carne ainda fremente, de seus sobressaltos e de seus prazeres. Colocados, sem pose e sem artifícios, esses corpos silenciosos nos apontam e nos informam o nosso destino.        François Barré

Neste momento uma foto desta série faz parte da exposição Comida em foco no piso térreo do Shopping Market Place. Quem quiser ver toda exposição pode acessar em www.mauroholanda.com.br .

O MACARRÃO DO EDUARDO

Nada como uma arrumação nas prateleiras para lembrar de coisas esquecidas há algum tempo.

Apareceu nas minhas mãos um exemplar da Revista Gourmet de Julho de 1984. Na capa a chamada é: Recarey: dono da noite carioca. A foto mostra o espanhol Francisco Recarey em frente ao letreiro do Scala, uma de suas 22 casas entre restaurantes, pizzarias, bares, gafieiras, etc . Alguém lembra dele? Pois é, o tempo passou e o rei da noite sumiu das notícias.Massa Fresca

Mas o assunto hoje é que esta revista traz minha estreia na fotografia de gastronomia. Naquela ocasião eu era um fotógrafo iniciante que fazia fotos de decoração para a revista Casa Vogue, da mesma editora da Revista Gourmet. Graças a um contratempo de um fotógrafo, fui convocado para fotografar uma pequena rostisseria, a Due Maestá, nos Jardins.

Muito inseguro, coloquei um monte de equipamento no meu Fusca e lá fui eu. O lugar era uma pequena casa numa ladeira íngreme. Naquela ocasião, um monte de equipamento era, um monte de coisas, mesmo! Depois de desembarcar toda a tralha encontro com um sujeito mais ou menos da minha idade, o Eduardo, com sua mãe atrás do balcão. Era uma típica rostisseria familiar.

Olhei para a loja e achei que tinha quebrado a cara, diante de um lugar sem graça, cheio de balcões refrigerados. A coisa começa a mudar quando pergunto ao Eduardo o que há atrás daquela portinha no cantinho. Ele me responde que não é nada, só a salinha onde ele seca e guarda as massas prontas.

Quando a porta é aberta me deu um baita alívio. Era um lugar deslumbrante. Bastou empurrar umas caixas para cá e para lá, arrumar um pouquinho as coisas e trazer os queijos que o lugar estava prontinho.

Ai só escolher o filme adequado colocar a câmera no tripé, selecionar uma lente, posicionar as luzes e pronto.

Assim foi feita a minha primeira foto de comida.

Feita a foto levei uma bandeja de macarrão para casa. Foi uma farra. O macarrão era fabuloso. Fui cliente do Eduardo por anos.

Hoje a Due Maestá continua nos Jardins em outro endereço mais confortável. Faz anos que não tenho notícias do Eduardo, espero que ele esteja bem.